Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O famoso mercado de Inverno está, finalmente encerrado. A Madrid não chegou um único reforço durante este período. Muitos nomes sonantes foram associados à equipa «blanca» durante o passado mês de Janeiro mas nenhum chegou ao Benabéu. O mais falado (e esperado, diga-se desde já) pela «afición» foi o do atleta Mauro Icardi, avançado argentino que actualmente joga em Itália. Mais concretamente no Inter de Milão. A sua transferência para Madrid chegou a ser dada como certa sendo que o negócio envolveria uma avultada quantia de € e a cedência a título definito do passe do médio croata Mateo Kovačić ao Inter.

1511257286_587356_1511257351_noticia_normal.jpg 

Felizmente a tão desejada transferência de Icardi não passou de um mero rumor. E não digo tal porque nutra alguma simpatia por Benzema. Tal como muitos outros madridistas, também eu começo a ficar farto das fracas prestações do internacional francês e das suas “polémicas”. E não, esta minha satisfação pelo facto de Icardi não ter sido o reforço do Real Madrid CF neste último mercado de inverno em nada tem a ver com o facto de eu achar que Borja Mayoral é um avançado com um enorme potencial. E acrescento que eu estou inteiramente de acordo quando me dizem que a «Casa Blanca» necessita de se reforçar no ataque. Contudo ainda está para vir o dia em que um reforço de inverno venha a ser a solução do problema que uma equipa como o Real Madrid tem na sua frente de ataque.

 

Já acompanho o futebol há uns anos, e a minha experiência diz-me que nas equipas ditas “pequenas” os reforços de inverno costumam resultar. Já nas de maior dimensão o cenário é muito diferente. E é muito diferente porque a pressão é muito maior. Dito de outra forma; se Mauro Icardi (ou outro qualquer) tivesse assinado pelo Real Madrid CF em Janeiro do corrente ano cível, este seria visto como uma espécie de “messas” que tem de resolver tudo o que está mal no plantel «blanco». Se não o conseguir é de imediato rotulado de “flop”. Como se isto do futebol fosse algo em que podemos afirmar com a certeza absoluta de que 2+2=4.

zidane--junto-a-florentino-perez--afp.jpg 

Neste aspecto Zidane mostrou ser um treinador inteligente. Claro que se pode recriminar «Zizou» pelos muitos erros cometidos esta época, mas há que louvar o treinador francês por este ter impedido Florentino Pérez de cometer as loucuras que a imprensa espanhola patrocina diariamente.

 

O Real Madrid escapou ileso á loucura do inverno. E ainda bem que tal foi assim, pois mais importante do que ter uma manta de retalhos bordada a ouro, é ter-se uma equipa no verdadeiro sentido do termo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:47

Eis o click?

por Pedro Silva, em 18.01.18

imgS620I213077T20180118222607.jpg 

imagem retirada de zerzero

 

Antes de se dizer que a prestação de hoje do Real Madrid CF foi mediana (muito mediana para ser simpático) ha que dizer - sem qualquer intenção de desresponsabilizar a equipa mais forte (no caso o Real Madrid CF) - que o jogo de hoje contava para a Copa del Rey. Dito de outra forma, a exibição que a equipa da capital espanhola realizou hoje no Estádio Municipal de Butarque foi a típica partida de uma eliminatória que se disputa a duas mãos. Claro que podemos. E devemos . dizer que a equipa de Zidane tinha a clara obrigação de ter feito muito mais do que aquilo que fez para levar de vencida um modesto e muito bem organizado CD Leganés, mas como tendo em consideração as características do jogo de hoje é, então, natural que os pupilos de «Zizou» não tenham dado tudo o que tinham para dar. Acrescente-.se que a tudo isto há, ainda, que juntar o conturbado momento que se vive no Bernabéu e o raio do azar que só traz lesões atrás de lesões.

 

Contudo, tal não pode, nem deve servir para braquear muitas das coisas más que vi o Real Madrid fazer. Isto de se jogar para trás e para os lados pode muito bem ser fruto da fraca moral da equipa madridista, mas fazer tal coisa diante de uma equipa organizada e lutadora como este CD Leganés poderia ter sido fatal. E poderia ter sido fatal porque tal postura por parte da equipa mais forte moraliza a equipa mais fraca, equipa esta que aos poucos vai acreditando que pode fazer uma “gracinha”. Tal acabou mesmo por acontecer na segunda parte deste jogo e só não deu em mais um desastre «blanco» porque Kiko Cassila esteve sempre muito melhor entre os postes do que a jogar com a bola nos pés. E assiam não pode ser Zidane! Se a ideia de jogo era a de se gerir o esforço do plantel porque o calendário começa a “apertar”, então havia que dar tudo por tudo na primeira parte para que os golos da tranquilidade aparecessem. Bem sei que tal parece ser “paleio de treinador de bancada#, mas é assim que as grandes equipas costumam actuar mesmo quando estão a atravessar uma fase má. Se não o fizererm nunca mais sairão desta fase. Espero sinceramente que este grande golo de Marco Asensio e a vantagem «merengue» na primeira mão dos quartos-de-final da Copa del Rey seja o tal click de que o Real Madrid Cf tanto necessita para voltar a jogar como deve ser.

 

Uma palavra final para dizer o quanto apreciei o trabalho do mister do Leganés. Sabendo que a sua equipa é muito mais modesta do que a de Zidane, Asier Garitano apostou na táctica de “equipa pequena” sem ter “encostado o autocarro diante da sua baliza”. As transições defesa/ataque do Leganés eram feitas com cabeça, tronco e membros. Esta inteligente e racional cartada de Garitano teve o condão de causar muitos dissabores à “tremida” defesa do Real Madrid.

 

MVP (Most Valuable Player):  Theo Hernández. O jovem defesa lateral esquerdo do Real Madrid foi o autor da assistência que permitiu a Marco Asensio colocar a equipa de Madrid em vantagem na eliminatória. Para além disto, Theo esteve também quase sempre muito nem a defender e a atacar pelo seu flanco.

 

Chave do Jogo: Inexistente, não obstante a equipa da casa ter feio muito mais do que a equipa visitante para vencer.

 

Arbitragem: Jogo fácil de se dirigir devida à postura correcta de todos os jogadores. Não se deu por Sánchez Martínez e quando tal é assim é porque o trabalho da equipa de arbitragem foi bom.

 

Positivo: Zinédine Zidane. Apostou (exageradamente) na excessiva rotatividade do seu plantel. Durante o decorrer do jogo tentou corrigir o seu erro com as entradas de Isco e Modric em campo e acabou por vencer,

 

Negativo: Borja Mayoral. Um avançado não pode ficar à espera que as bolas venham ter com ele para as meter dentro da baliza adversária. Há que se movimentar em campo para que os colegas tenham espaço para criar o jogo ofensivo de que o avançado tanto necessita. A rever Mayoral!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:55

Começo por dizer o seguinte; se é realmente verdade que Cristiano Ronaldo quer ir embora de Madrid, então que arranje quem pague o valor do seu passe e siga para outra. Digo tal com muita pena e na esperança (quase certeza, váCristiano-Ronaldo-Real-Madrid-973650.jpg lá) de que tal não passe da habitual “poeira” que a Comunicação Social espanhola (e não só) levanta todas as épocas. Posto isto passemos ao tema central do debate.

 

Ao que tudo parece indiciar, Neymar será a próxima grande contratação de Florentino Pérez. Inclusive já se fala de uma espécie de troca onde o Real Madrid dará Cristiano Ronaldo e mais algum dinheiro em troca do internacional brasileiro. E a coisa até que pode bem ser levada a sério dado que tanto o diário as como o MARCA tem falado muito no assunto- Todos sabemos como estes dois matutinos estão sempre muito próximos da «Casa Blanca».

 

Um disparate, dirão alguns. Uma jogada inteligente, dirão outros.

 

Pessoalmente coloco-me do lado daqueles que acham que a contratação de Neymar é um profundo disparate. Principalmente porque aquilo de que o plantel do Real necessita verdadeiramente é de uma alternativa viável a Benzema. Bem sei que para tal existe Borja Mayoral, mas este é – ainda – um jovem atleta de enorme qualidade que necessita de tempo e espaço para evoluir. Alias, colocando as coisas sob este prisma, veria com muitos melhores olhos um esforço financeiro bem “musculado” por parte de Florentino na contratação do avançado inglês Harry Kane.

 

Para além do que já aqui disse (e que me parece ser evidente para todos), Neymar não é um jogador que acrescente algo de positivo ao clube. Muito pelo contrário. Neymar acaba, muitas vezes, por ser um tremendo problema para todos (Direcção, Treinador e Plantel). E acredito não ser preciso uma ginástica mental muito grande para se perceber Neymar+FC+Barcelona+v+Real+Madrid+CF+La+Liga+MV-e0a razão pela qual escrevo tal coisa sobre o internacional brasileiro. Basta que nos recordemos dos problemas disciplinares que este provocou em Barcelona na época passada. E mais recentemente, veja-se a forma como Unai Emery – actual Treinador do Paris Saint-Germain – é obrigado a gerir “com pinças” e muita cautela o tremendo feitio de Neymar que choca de frente com todos os seus colegas de ataque (e não só).

 

Mas atenção, não estou com tudo isto a desvalorizar o atleta Neymar. Neymar é um bom jogador (de excelente tem pouco). Dono e senhor de uma técnica apurada e de um drible poderoso, mas este não é aquele tipo de atleta que marca a diferença para melhor. Dito de outra forma; Neymar está a “anos-luz” de poder vir a ser um Cristiano Ronaldo ou, até mesmo, um Gareth Bale.

 

Por tudo isto, e não só, Neymar? Não muito obrigado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:00

_1RM0903.jpg 

Bale foi decisivo no seu regresso e participou nos dois golos do Real Madrid contra o Fuenlabrada.

 

O Real Madrid superou a primeira eliminatória da Taça do Rei. Depois de ganhar 0-2 na primeira mão em Fuenlabrada, os brancos garantiram a passagem aos oitavos-de-final empatando no Santiago Bernabéu (2-2). Borja Mayoral foi o autor dos dois tentos da equipa de Zidane. O técnico dos brancos deu minutos a vários futebolistas e proporcionou a estreia a Óscar, Quezada e Seoane num jogo que também serviu para regressarem Keylor Navas, Kovacic e Bale. O galês foi decisivo no seu regresso e participou nos dois golos dos brancos. 

O domínio madridista desde o início não se traduziu em ocasiões. De facto, foi o Fuenlabrada o primeiro a criar perigo. Hugo Fraile e Matheus tentaram frente a Keylor Navas. Os brancos trocavam a bola com paciência, mas o Fuenlabrada adiantou-se graças a um potente disparo de Milla de fora da área (25’). Os pupilos de Zidane adiantaram as linhas em busca do empate, e perto do intervalo, Llorente, Ceballos e Feuillassier tentaram a sorte sem êxito.

PRIMEIRO BIS DE BORJA MAYORAL COM O REAL MADRID.

O Real Madrid meteu mais uma velocidade ao seu jogo no recomeço. Tejero tentou num remate de longe. No entanto, o Fuenlabrada não desistia e procurava o segundo através de lances de bola parada. Primeiro Matheus, de cabeça, obrigou à estirada de Keylor Navas e depois Cata Díaz enviou a bola à trave. Zidane procurou reagir fazendo entrar Bale. Na primeira vez que tocou na bola, o galês fez um centro perfeito para Mayoral empatar de cabeça (62’).

Oito minutos depois, os mesmos protagonistas garantiram a reviravolta. Bale recebeu uma bola da defesa adversária para disparar diante de Pol, sendo a recarga aproveitada por Mayoral para fazer o segundo. Com o 2-2, o Real Madrid continuou a tentar aumentar a vantagem. No entanto, aos 89’, Portilla conseguiu fazer o empate para o Fuenlabrada. A equipa de Zidane já espera nos oitavos-de final pelo adversário do sorteio a realizar na próxima terça-feira, dia 5.

 

in Real Madrid CF

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:55



Agenda do Real Madrid


Calendário

Fevereiro 2018

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

MARCA (19/02/2018)


as (19/02/2018)


Publicidade



Espectadores


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.