Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O sonho que se tornou realidade

por Pedro Silva, em 05.05.16

​Depois de Lisboa, há dois anos, agora Milão. É aí que as duas maiores equipas de Madrid terão novo encontro marcado na final da Liga dos Campeões. Esta noite, um auto-golo de Fernando acabou por ser decisivo para desequilibrar uma eliminatória onde o Real Madrid foi globalmente superior, mas na qual viu a incerteza pairar até ao fim. 

 

Em blanco tinha ficado o resultado em Manchester. Não tinha havido Ronaldo e tinham existido cuidados variados de parte a parte. Para o Santiago Bernabéu, era preciso bem mais para se chegar a Milão, mesmo sabendo que não errar até era mais importante do que arriscar.

 

Esse foi, sobretudo, o pensamento doscitizens. Sem Casemiro do lado oposto, Pellegrini optou por dar mais corpo e robustez ao seu miolo, juntando Yaya Touré, a grande novidade, à dupla deNandos - Fernando e Fernandinho.

 

Pacientes e pouco dados a grandes riscos, os ingleses viam Agüero lá ao longe, sozinho, abandonado e presa fácil para Sergio Ramos e Pepe. E esta postura não se alterou muito, mesmo depois do golo madrileno, que acabou por surgir de forma natural e justa, também por essa postura aborrecida e pouco atrevida dos forasteiros.

 

Os merengues eram melhores e estiveram quase sempre por cima no encontro. Mesmo sem o pêndulo (Casemiro), a equipa foi personalizada e contou com as grandes exibições de Modric e de Kroos para ganhar o tal duelo do miolo não pela dimensão física, mas pela classe dos executantes.

 

A superioridade foi dando confiança aos laterais para as investidas habituais e foi muito por aí que o jogo se foi desbloqueando. Não apenas no golo, quando Carvajal foi à frente ajudar, mas em vários momentos em que o espanhol, tal como Marcelo do outro lado, foram fazendo a diferença.

 

Para os últimos minutos, o fio de jogo alterou-se. Falamos dos últimos 20, altura em que, de forma progressiva, o Real Madrid foi recuando no terreno. Por várias razões: porque a frescura se foi perdendo, porque os tais erros que não se podiam cometer iam retraindo a equipa psicologicamente e porque o Manchester City finalmente tentou dar um pouco de ânimo ao jogo.

 

Só que os homens de Pellegrini não se sentiram confortáveis com a bola no pé em organização ofensiva, pelo que, muitas vezes, se deixavam apanhar pela defesa contrária. Aliás, se esta fase poderia parecer interessante, não o foi porque ambas as equipas queriam jogar na transição rápida. O Real com Ronaldo na mira. O City porque Sterling e Ieanacho já estavam em campo.

 

Nem um nem outro foi realmente capaz de conseguir isso. Resultado? Beneficiou o Real Madrid, que assim conseguiu mais uma final. O Atlético é a última barreira para Ronaldo e companhia.

 

Retirado de zerozero

 

Melhor em Campo: Luka Modric

luka_modric.png 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:00



Agenda do Real Madrid


Calendário

Maio 2016

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

MARCA (19/02/2018)

>

as (19/02/2018)

>

Ballon d'Or France Football 2018


THE BEST FIFA MEN'S PLAYER 2017/18


UEFA Men's Player of the Year 2017/18


Publicidade



Espectadores


subscrever feeds