Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Dinâmica de vitórias. Da falta dela.

por Pedro Silva, em 13.01.18

imgS620I212702T20180113170853.jpg 

imagem retirada de zerozero

 

Ainda esta semana Zinédine Zidane disse que nem tudo está mal neste Real Madrid. E tem razão. Nem tudo está mal não obstante a derrota histórica de hoje em casa diante do Villareal (foi a primeira vez que o Villareal CF venceu no Estádio Santiago Bernabéu). A equipa «blanca» não jogou mal e, em certos momentos, até que conseguiu impor o seu futebol. O problema reside, essencialmente, no facto de este Real Madrid demorar muito a entrar no jogo. Se somarmos a tal o facto de a bola não entrar na baliza adversária por mérito da defesa da equipa contrária ou porque a sorte não quer nada com Cristiano Ronaldo & Companhia resulta na total desorganização da equipa “merengue” que depois acaba por sofrer um golo do Villareal na única vez em que este criou verdadeiro perigo na baliza de Keylor Navas. A tudo isto chama-se falta de dinâmica de vitórias.

 

Mas atenção. Nada disto desresponsabiliza Zidane e toda a estrutura directiva do Real Madrid pela actual crise desportiva que assola a «Casa Blanca». Pelo contrário. Ainda hoje ficou bem patente a dificuldade que o técnico francês teve em gerir o esforço da sua equipa. Salvo erro da minha parte, nesta partida diante do Villareal Zidane fez apenas duas substituições num jogo que não lhe estava a correr de feição (se calhar com a tal de dinâmica de vitórias presente nem se desse por tal). Para mais isto de ser ter um plantel com dois avançados em que um deles é um jovem da formação tem muito que se lhe diga… E nem vou aqui falar sobre o terrível sistema de jogo que Zizou “inventou” em que tanto Cristiano Ronaldo como Gareth Bale são obrigados a ter de se “colar” às faixas do ataque para depois virem em diagonal para a área adversária. Um tremendo desperdício de esforço e de talento.

 

E pouco mais há a dizer senão que há que dar o litro nas provas que podem ainda ser conquistadas (Copa del Rey e UEFA CHampions League). E já agora, se Florentino e restante Direcção puderem ir preparando a próxima época com reforços no verdadeiro sentido do termo (basta um ponta de lança de qualidade e nada mais) será excelente.

 

MVP (Most Valuable Player): Toni Kroos. O internacional alemão foi, seguido de muito perto por Luka Modric, o MVP deste Real Madrid. Sempre muito esclarecido no capítulo do passe, Kroos procurou sempre as soluções ofensivas que, por uma razão ou outra, não eram aproveitadas por Cristiano e Bale.

 

Chave do Jogo: Inexistente. Em momento algum as equipas em campo foram capazes de construir um lance que fizesse com que a vitória pendesse, em definitivo, para o seu lado. Não que a equipa da casa não tivesse feito por isto. Para mais o Villareal CF teve a sorte do jogo do seu lado no lance do golo.

 

Arbitragem: Undiano Mallenco tem uma espécie de aversão ao Real Madrid. A razão para tal é por mim desconhecida. Hoje Undiano foi, mais uma vez, fiel a si próprio ao não ter marcado uma claríssima grande penalidade a favor do Real Madrid CF na primeira parte do jogo. Má arbitragem com influência directa no resultado.

 

Positivo: Cristiano Ronaldo. Foi o expoente máximo da capacidade de luta da equipa «merengue». Padeceu do mesmo mal que a maioria dos seus companheiros dado que a Deusa da Fortuna não quis nada com o internacional português.

 

Negativo: O esquema táctico de Zidane. Já qui o disse e não me canso de repetir, isto de jogar sem um ponta de lança e de obrigar os extremos a vir em diagonal até ao meio da área para finalizar foi a pior coisa que Zidane poderia ter feito à sua equipa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:00



Agenda do Real Madrid


Calendário

Janeiro 2018

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

MARCA (22/07/2018)


as (22/07/2018)


Publicidade



Espectadores


subscrever feeds