Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


-i-merengues-i-escorregam-no-san-mames-e-perdem-li 

O Real Madrid não foi além de um empate este sábado na deslocação ao terreno do Athletic (1x1), deixando o FC Barcelona fugir na liderança da La Liga.

 

O encontro começou equilibrado, com as primeiras oportunidades de perigo a surgirem por volta dos 20 minutos. Aos 32´, os homens da casa chegaram à vantagem, numa excelente jogada coletiva concluída por Iker Muniain. Em desvantagem, os Merengues tentaram reagir, com Modric a estar perto do empate ainda antes do intervalo, obrigando Unai Simón a defesa apertada.

 

As substituições foram uma arma importante para o Real Madrid na segunda parte. Ao intervalo, Lopetegui tentou equilibrar o meio-campo lançando Casemiro para o lugar de Ceballos, colocando em campo Isco aos 61´. Pouco tempo depois, o médio espanhol respondeu da melhor forma a um cruzamento de Gareth Bale e de cabeça restabeleceu a igualdade.

 

Até ao final, as duas equipas não mostraram argumentos para alterar o resultado. O Real Madrid volta a entrar em campo na próxima quarta-feira, numa partida frente a AS Roma a contar para a Liga dos Campeões.

 

Artigo publicado no site zerozero

 

p.s. Não tive a oportunidade de ver o jogo por inteiro (daí ter ido "buscar" esta crónica, mas do meu ponto de vista bem que podemos agradecer a Julen Lopetegui o ter-se desperdiçado dois pontos em Bilbao... A primeira "Lopeteguice" das muitas que vamos ter de aturar até ao final da época.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:08

imgS620I219265T20180418225645.jpg 

Na partida que encerrou esta quarta-feira de La Liga, o Real Madrid, com Cristiano Ronaldo no onze inicial, cedeu um empate caseiro 1x1 frente ao Athletic Bilbao e não aproveitou os deslizes de Barcelona e Valência.

 

Os merengues entraram na partida com ganas e vontade de chegar ao golo, com Ronaldo (10’ e 13’) e Marco Asensio (12’) a disporem de boas oportunidades para abrir o marcador. No entanto, Iñaki Williams aproveitou o maior balanceamento ofensivo dos blancos e, na cara de Keylor Navas, fez 0x1. A perder em pleno Santiago Bernabéu, os pupilos de Zidane tentaram rapidamente inverter o rumo dos acontecimentos, mas Marcelo (19’) e Asensio (43’) não foram capazes de bater Kepa Arrizabalaga.

 

Após o descanso, os madrilenos continuaram a busca da igualdade, correndo o risco de sofrer o segundo tento, o que esteve perto de acontecer aos 64’, primeiro por Iñigo Córdoba (bola cortada em cima da linha) e depois por Raúl García, que atirou à barra. Já com Gareth Bale e Isco no terreno de jogo, o galês esteve perto do empate, que só se confirmou a três minutos do final da partida. Cristiano Ronaldo desviou um cruzamento/remate tenso de Modric e garantiu um ponto para o Real.

 

Com este empate, a formação da capital espanhola pode ver o Atlético de Madrid isolar-se no segundo posto com seis pontos de vantagem, em caso de vitória. Já o Bilbao mantém, provisoriamente, o 13º na tabela classificativa.

 

Artigo publicado no site zerozero

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:15

História do Real Madrid CF (1911-1920)

por Pedro Silva, em 08.02.18

CopaRegional_historia.png

Entre 1911 e 1920 o futebol espanhol viveu um período de dificuldades e de indefinições. O Madrid Football Club não passou ao lado de tal, mas apesar de tudo o clube conseguiu superá-lo graças à inteligência dos seus dirigentes.

 

Estes mesmos dirigentes, perante um número de adeptos cada vez maior, perceberam a necessidade da mudança de campo para facilitar a afluência de espectadores e, desse modo, obter maiores receitas. Deu-se então a mudança para o Estádio de O’Donnell. O clube «blanco» adquiriu uma dimensão tão grande que a Casa Real de Sua Majestade o Rei concedeu ao Madrid Football Club o título de ‘Real’ (1920).

 

Nesta fase do ainda jovem futebol espanhol pensou-se que a constituição de uma Federação seria uma solução rápida para a crise, mas tal não veio a ser uma realidade. Cada clube olhava apenas pelos seus interesses e enquanto uns apoiavam a «Federación Española de Clubs de Football», outros formaram um organismo paralelo: a «Unión de Clubes».  Também em Madrid predominava um sentimento de desilusão e de desencanto. Inclusive a junta directiva da altura teve mesmo de evitar a ‘demissão’ do seu presidente, Adolfo Meléndez.

 

Contudo a duplicação de competições e de interesses não enfraqueceu, no entanto, a expectativa em torno do futebol. Os adeptos «madridistas» continuavam a ir ver os jogos do Madrid Football Club.

4,3.jpg 

Jogo internacional de cariz amigável no Estádio de O`Donnell

 

Com a mudança para Estádio de O’Donnell (na imagem em cima e em baixo), o Madrid Football Club deu um grande passo no sentido da sua profissionalização. Com mais espectadores, havia maiores receitas e maiores orçamentos para se contratar jogadores.

GALERÍA+3,1.jpg 

Jogo no Estádio de O`Donnell

 

O Estádio novo era melhor do que o anterior que se situava na ‘Villa y Corte’ de Madrid.  O Estádio de O’Donnell tinha, inclusive, maior capacidade dado que a sua lotação era de 5.000 espectadores.

 

A temporada de 1915-16 marcou negativamente a vida do «madridismo». A brilhante participação do Madrid Football Club no Campeonato de España culminou num amargo vice-campeonato. Depois de ter derrotado o Real Club Deportivo Español nas meias-finais da prova, o  Madrid Football Club acabaria por perder o título para o Athletic Club numa marcante final.

 

As circunstâncias que rodearam esta final tiveram consequências e terminaram com a demissão, dias mais tarde, de toda a junta directiva. Pedro Parages assumiu a liderança do clube em detrimento de Adolfo Meléndez. A mudança acabaria por dar frutos. Na temporada seguinte o Madrid Football Club voltava a ser campeão de Espanha.

2,1.jpg 

Equipa campeã da Região Centro

 

AFONSO XIII INTERCEDE PARA SER ASSINADA A PAZ NO FUTEBOL

 

Face à irresolúvel disputa entre a «Federación Española de Clubs de Football» e a «Unión de Clubes», o Rei Afonso XIII decidiu intervir.

 

Sua Majestade, o Rei Afonso XIII recebeu o presidente da altura da «Federaçión», Juan Padrós, e reconheceu este organismo como sendo o único representante do futebol espanhol. Ao mesmo tempo, este incentivou a «Unión» a “federar-se e a esquecer as quezílias antigas”.

 

A partir deste momento, assinou-se a paz que voltou a colocar o futebol espanhol sobre carris.

 

SANTIAGO BERNABÉU, COMO JOGADOR (1913)

 

Solucionados os problemas organizativos e de representatividade, tudo voltou à normalidade.

 

GALERÍA+4,1.jpg

Foi nessa altura que surgiu a grande figura do Madrid Football Club: Santiago Bernabéu (na imagem ao lado).

 

E fê-lo como futebolista. Avançado robusto e com grande capacidade goleadora, o natural de «La Mancha», Santiago Bernabéu, acabaria por se tornar no capitão da equipa e grande referência do clube.

 

Era um presságio do que sucederia anos mais tarde, então já à frente da instituição.

 

PALMARÉS DO MADRID FOOTBALL CLUB (1911 - 1920)

 

1 Campeonato de España

5 Campeonato Regional Centro

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:04



Agenda do Real Madrid


Calendário

Fevereiro 2019

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

MARCA (19/02/2018)

>

as (19/02/2018)

>

Ballon d'Or France Football 2018


THE BEST FIFA MEN'S PLAYER 2017/18


UEFA Men's Player of the Year 2017/18


Publicidade



Espectadores