Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


imgS620I219265T20180418225645.jpg 

Na partida que encerrou esta quarta-feira de La Liga, o Real Madrid, com Cristiano Ronaldo no onze inicial, cedeu um empate caseiro 1x1 frente ao Athletic Bilbao e não aproveitou os deslizes de Barcelona e Valência.

 

Os merengues entraram na partida com ganas e vontade de chegar ao golo, com Ronaldo (10’ e 13’) e Marco Asensio (12’) a disporem de boas oportunidades para abrir o marcador. No entanto, Iñaki Williams aproveitou o maior balanceamento ofensivo dos blancos e, na cara de Keylor Navas, fez 0x1. A perder em pleno Santiago Bernabéu, os pupilos de Zidane tentaram rapidamente inverter o rumo dos acontecimentos, mas Marcelo (19’) e Asensio (43’) não foram capazes de bater Kepa Arrizabalaga.

 

Após o descanso, os madrilenos continuaram a busca da igualdade, correndo o risco de sofrer o segundo tento, o que esteve perto de acontecer aos 64’, primeiro por Iñigo Córdoba (bola cortada em cima da linha) e depois por Raúl García, que atirou à barra. Já com Gareth Bale e Isco no terreno de jogo, o galês esteve perto do empate, que só se confirmou a três minutos do final da partida. Cristiano Ronaldo desviou um cruzamento/remate tenso de Modric e garantiu um ponto para o Real.

 

Com este empate, a formação da capital espanhola pode ver o Atlético de Madrid isolar-se no segundo posto com seis pontos de vantagem, em caso de vitória. Já o Bilbao mantém, provisoriamente, o 13º na tabela classificativa.

 

Artigo publicado no site zerozero

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:15

imgS620I219027T20180415213429.jpg 

O Real Madrid aproveitou da melhor forma a derrota do Valência diante do Barcelona para regressar ao terceiro lugar da Liga espanhola, com um triunfo por duas bolas a uma no terreno do Málaga, que parece condenado à descida.

 

Cristiano Ronaldo foi poupado por Zidane, depois do apuramento para as meias-finais da Liga dos Campeões, ficando também Marcelo fora da equipa inicial. 

 

Mesmo com as mudanças, os merengues foram superiores e abriram o marcador aos 29', com Isco a finalizar de livre direto e a pedir desculpas aos adeptos do Málaga, que representou durante três anos.

 

O segundo tempo trouxe o segundo golo madrileno, agora por Casemiro, que rematou a curta distância e deixou tudo mais tranquilo para o Real Madrid, embora o Málaga ainda tenha conseguido reduzir nos descontos por Diego Rolán.

 

A equipa de Zidane é agora terceira classificada, com mais dois pontos do que o Valência e menos quatro do que o Atlético de Madrid.

 

Artigo publicado no site zerozero

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:00

Soube a pouco

por Pedro Silva, em 08.04.18

imgS620I218454T20180408164924.jpg 

imagem retirada de zerozero

 

Jogo esperado da parte do Atlético. Jogo esperado com uma importante alteração. Este Atlético de Simeone já não é aquele Atlético que dava pancada em tudo quanto se mexia. Está muito mais refinado. È um Atlético bem trabalhado. Agora Diego Simeone aposta - e bem – nas transições rápidas para o ataque onde Diego Costa auxilia (e de que maneira) um Antoine Griezmann que é sempre letal na hora de rematar à baliza. É assim que me apraz descrever o jogo que terminou empatado a uma bola no Estádio Santiago Bernabéu.

 

Dizer-se que este foi o resultado que mais agradou à equipa de Simeone é algo que só mesmo os faciosos comentadores da Sport Tv conseguem imaginar e dizer. O Atlético de Madrid sempre teve esta forma de jogar. O entregar a bola ao adversário e aguardar pelo momento certo para se atacar é que é uma clara novidade da parte de uma equipa que se preocupava sempre muito mais em não deixar jogar do que em saber sair para o ataque de uma forma que é – quase – sempre letal.

 

Zidane até que preparou bem o Real Madrid CF para este embate caseiro diante do rival da capital. O problema é que na baliza «colchonera» esteve um Oblak que hoje não deixou passar nada mais senão o golo de Cristiano Ronaldo (após uma excelente assistência de Gareth Bale… E esta as?). É por isto que não me passa peça cabeça tecer uma crítica que seja ao jogo que os «blancos» fizeram. Os dois únicos pontos que considero negativos foram; a tremenda demora de Zidane em “mexer” na equipa antes do golo do internacional francês do Atlético (era notória a necessidade de Modric entrar em campo), e Dani Carvajal que fez aquilo que me apetece apelidar de exibição medonha a defender e a atacar.

 

E pouco mais há a dizer senão que hoje o Real Madrid desperdiçou uma boa oportunidade de ter derrotado o seu vizinho Atlético de Madrid. Isto tendo em consideração, obviamente, o que ambas as equipas fizeram em campo. Não deu portanto siga para a frente. Esta época a La Liga já está mais do que entregue ao FC Barcelona e há uma UEFA Champions League para se vencer.

 

MVP (Most Valuable Player): Marcelo. Que “jogão” este que o internacional brasileiro levou a cabo! Grandiosa exibição esta que o defesa lateral esquerdo fez em pleno Bernabéu. Excelente a defender e quase que perfeito a atacar, Marcelo foi hoje o MVP de uma partida diante de uma equipa que dá sempre muito que fazer às linhas defensivas das equipas adversárias.

  

Chave do Jogo: Inexistente. Em momento algum as equipas foram capazes de criar um lance que fizesse com que a vitória pendesse, claramente, para o seu lado.

 

Arbitragem: Estrada Fernández tinha, à partida, aquilo que se pode muito bem apelidar de jogo complicado tendo em conta o histórico agressivo dos jogadores de Diego Simeone, mas a verdade é que este até que nem teve assim muito trabalho. Poderia, e deveria, ter sido um tudo ou nada mais rígido com o defesa Godín da equipa do Atlético dado que foram algumas as vezes em que o internacional uruguaio usou e abusou da sua vertente “raçuda”.

 

Positivo: Ambiente. Grandioso ambiente este que os adeptos presentes no Estádio Santiago Bernabéu foram capazes de criar em torno de uma partida que se sabia à partida que ia ser muito táctica.

 

Negativo: Dani Carvajal. Há dias em que as coisas não nos correm bem por muito que nos esforcemos. O problema é que Carvajal viveu hoje um destes dias e não se esforçou muito por o tentar melhorar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:19

História do Real Madrid CF (1931-1940)

por Pedro Silva, em 06.04.18

TrofeoMancomunado_historia.png

À contratação de Ricardo Zamora, seguiram-se pouco depois as de Ciriaco e Quincoces. Juntos formaram a melhor defesa do Mundo. O resultado de tal aposta foram quatro títulos (duas La Liga e duas Copa del Rey) em quatro anos. Era a génese de um Madrid ganhador, mas o estalar da Guerra Civil deitou por terra esse triunfalismo.

 

O Real Madrid CF já tinha interiorizado que o êxito que tanto perseguia só seria possível com os melhores jogadores.

 

Zamora, Ciriaco, Quincoces… Os frutos não demoraram a aparecer. A temporada de 1931-32 foi de excelência para a equipa de Lippo Hertza. Os «blancos» terminaram a Liga como campeões invictos. Começava uma era de domínio «madridista».
 
Um mês depois do último êxito na Copa del Rey (1936), rebentava a Guerra Civil em Espanha. O melhor momento desportivo do Real Madrid CF até então via-se ameaçado e truncado pelo longo e nefasto conflito armado.

 

A Guerra Civil espanhola determinou o fim da carreira de muitos jogadores e o exílio de muitos outros. Foi preciso esperar pelo fim do conflito para se reconstruir o Clube e a equipa.

 

ZAMORA, ELEVADO À CATEGORIA DE MITO

 

O extraordinário impacto que o futebol estava a adquirir em Espanha fez de alguns futebolistas autênticos ídolos.

3,1.jpg 

O exemplo mais claro estava na baliza do Real Madrid CF. A final da Copa del Rey de 1936 levou Ricardo Zamora aos píncaros, depois de ter sido o grande artífice do triunfo dos «merengues» sobre o FC Barcelona. A sua defesa ‘impossível’ após o fantástico remate de Escolá (na imagem em cima) ainda é recordado em todos os livros referentes à história do futebol espanhol.

 

ASSEMBLEIA PARA A RECONSTRUÇÃO (1939)

 

A19 de Abril de 1939, Pedro Parages convoca uma Assembleia para resolver a situação em que a entidade tinha ficado após a Guerra Civil.

 

Um estádio destroçado, um plantel muito debilitado… O panorama não era nada animador. Adolfo Meléndez é então nomeado como novo presidente e o Real Madrid CF enfrenta um tremendo desafio: a sua reconstrução! Esta começou praticamente do zero.

 

PALMARÉS DO REAL MADRID CLUB DE FÚTBOL (1931-1940)

 

3 Campeonato Regional Centro

5 Campeonato Regional Mancomunado

2 La Liga

2 Copa del Rey

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:22



Agenda do Real Madrid


Calendário

Abril 2018

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

MARCA (22/04/2018)


as (22/04/2018)


Publicidade



Espectadores


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds